sábado, 2 de dezembro de 2017

MORREU BELMIRO, MAIS CONHECIDO POR ESCLAVAGISTA

PARTILHAR



Mário Motta, Lisboa

A irregularidade da publicação de textos no Página Global é causa de não abrangermos atempadamente muita da atualidade e até da opinião de colaboradores que esperam demasiado para ver suas palavras expressas no PG. A seu tempo esperamos poder erradicar daqui a atual e referida irregularidade e voltarmos ao que éramos, mais assíduos e quase pontuais nas postagens diárias.

Também por essa incómoda irregularidade temos estado “lavadinhos” sobre algumas palavras próprias ou compilações acerca da morte de Belmiro de Azevedo e aquilo que rodeou o acontecimento.

Que fique claro: Belmiro só não era declaradamente um esclavagista por saber que ao assumi-lo tal não seria politicamente correto. Mas ensaiou várias aproximações que não podemos esquecer e delas retirar que o homenzinho o que tinha por ideal completo e perfeito era que trabalhassem de borla para ele e todo o seu staff de mais do mesmo. Se dúvidas existem na mente de alguém é oportuno recordar que ainda não há muito tempo ele afirmou que os “ordenados têm de ser baixos para existir emprego”. Como quem diz que se não recebessem nem um euro pelo seu trabalho, não haveria desemprego. Por certo que assim sempre haveria uma malga de arroz e um púcaro de água em algumas pausas, curtas, mas quase regulares. E trabalho para todos não faltaria. Trabalho não remunerado, obviamente. Trabalho 100% escravo, declarado e transparente.

E é esse o tal “grande homem a quem Portugal deve muito”, como alguns dizem, esse tal esclavagista que pagava ordenados miseráveis e assim fez aumentar a sua fortuna. Podre de rico graças ao trabalho e exploração desumana de milhares de trabalhadores.

DEPUTADOS OU DEPUTEDOS?

E não foi que aconteceu o que se pode classificar do cair da máscara (mais uma vez) de certos e incertos pseudo representantes dos eleitores, conhecidos por deputados? Pois foi. Imaginem que naquela casa coube um voto de pesar pela morte do Belmiro Esclavagista (ou perto disso). Nunca vimos que no parlamento se registassem votos de pesar pelo Manel Pedreiro, nem pelo António Pintor, que morreram em acidentes de trabalho, caindo de andaimes manhosos que escapam à fiscalização quase inexistente dos agentes oficiais das condições de trabalho. Nem votos de pesar pelo Manel que foi “comido” pela máquina de picar carnes ou outra sua similar. Muito menos pelo Zé da Fossa que morreu soterrado quando abria uma vala. Nem do estafeta, que bem podia ser da SONAE, que morreu tragicamente num acidente de viação. Ou o outro que foi atropelado…

Afinal, os deputados – certos e incertos – estão “feitos” com quem? Adulam quem? Os ricos? Os exploradores? Aqueles a quem, visivelmente, lambem as botas e melhor servem?

A propósito, dá para perguntar: deputados ou deputedos?

Resta a todos esses a consolação de que  a “obra” feita e deixada por Belmiro vai continuar e todos os que trabalham no duro e sujam as mãos continuarão a ser explorados com o aval de certos e incertos políticos que igualmente são cúmplices do esclavagismo, afirmando com grande prosápia que não é suportável aumentar os salários (mínimo ou outros) mas que de coluna vertebral dobrada entregam de mão-beijada milhares de milhões aos banqueiros, aos tais “grandes empresários” (grandes sacanas), aos que mais têm por dolo e esbulho de milhões de seres humanos, de portugueses.

PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: