domingo, 20 de agosto de 2017

BRASIL | Vivemos no país do faz de conta

PARTILHAR


Como caráter da cultura que desenvolvemos, não há como se ocultar que a cegueira eventual ou proposital em desprezar o lado da honra e mais virtudes na condução das normas atenta contra nossa natureza de racionais.

Maria Fernanda Arruda – do Rio de Janeiro | Correio do Brasil | opinião

Vamos fazer  de conta que temos honra. Fazer de conta que somos racionais. É inculcável o ânimo de toda a filosofia em dar aos princípios que nos conduzem a face que distingue o homem do animal. Tudo o que tange estudo de ética, mostra a intenção de perfeição e de pureza a nos presidir a convivência. Dentro desse escopo, Montesquieu deu nome a uma obra como o espírito das leis. Então, com estas, a dimensão que as coloca acima de uma retórica fria ou falha.

Isso posto, como caráter da cultura que desenvolvemos, não há como se ocultar que a cegueira eventual ou proposital em desprezar o lado da honra e mais virtudes na condução das normas atenta contra nossa natureza de racionais. Vem ao caso essa digressão por estarmos há dois anos em que houve o cometimento de um crime, que pende sem sequer reexame que lhe dê definição para se atribuir autoria ou mesmo enquadramento legal devido.

Quando se fez a encenação do golpe, planejado e dirigido por país estrangeiro, não faltaram artistas a servir (via dólares) para encenação. Assistimos aos beócios do senado dando continuidade à ridícula votação da Câmara. E tudo sob coordenação (ou ponto) do STF.  Foi uma enxurrada de ignomínias que cegou a todos que, surpresos, ficaram nesse estado de choque paralisante de quem sofreu um ataque ou acidente maior do que as forças que tinha para resistir.

Democracia

Só que, passada a tempestade, o tempo foi se abrindo e a verdade veio à tona. Hoje já se constatou que tudo foi uma pantomima oprobriosa. O próprio golpista mor, ao assumir criminosamente o lugar de presidente ilegítimo do país, foi aos EUA, patrocinador, e disse que a presidenta não foi deposta por transgressões ou crimes e, “sim, por ter se negado a empreender uma política que era de interesse empresarial local  e internacional, cuja adoção incluía austeridade e/ou imposições no campo trabalhista-previdenciário”.

Ou seja, foi a assunção de que o golpe pôs acima da democracia a autoridade de uma Fiesp ou assemelhada, que querem benesses fiscais e econômicas aos seus sócios, em detrimento ao princípio de Republica e democracia. Seguindo. A ação do tempo mostrou que não e nunca houve as pedaladas cantadas pelos covardes (incluindo bicudos, janaínas e realis). E a presidenta nem teve ação pessoal em qualquer dos fatos que se  valeram os ensandecidos amotinados mercenários. 

Mais… A Procuradoria mandou arquivar o processo em que se acusava a ré por falta de crime! O rei ficou nú ! Só não veem essa nudez os performáticos e empertigados ministros golpistas do STF. Feito cavalos chucros, recusam ter senso de responsabilidade e intenção de restaurar a ordem. Fazem a figuração de pai que expulsa sua filha de casa por ter sido acusada de conduta indigna e a lança ao chão da sociedade; em pretensa defesa de moralidade familiar. E depois, verifica que foi enganado. Que não havia a imputação infamante. Ainda assim, não tem a coragem ou hombridade de se redimir.

Uma ficção

Todos vimos que não faltou aos ministros supremos a coragem para o farsesco ridículo. 

Porque lhes falta a mesma coragem para agir pela decência? Fizeram os ‘probos’ do STF o papel nefando de irmãos que venderam José do Egito, por conta de aumento salarial, inveja ou cretinice mesmo. Tiraram uma presidenta legítima, sob acusação falsa que nem examinaram, e ratificaram ignominioso golpe.

E permanecem, todos, na postura mumificada. insensíveis à moral, à honra ou à lei que lhes cabe cumprir. Por enquanto estamos em um país que faz de conta que há honra, Justiça e seres racionais. Como numa ficção.

Porém, é fato: o mundo está vendo!

*Maria Fernanda Arruda é escritora e colunista do Correio do Brasil.

PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: